Sexta-feira, 23 de Março de 2012

"Bodas de Sangue" de Garcia Lorca estreia, hoje, 23 de Março, no Centro Cultural do Mindelo, com lotação esgotada

 

 

O Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo apresenta pela primeira vez ao público mindelense a peça Boas de Sangue, esperada pela critica pelo público com bastante entusiasmo.

 

 

Por Elisângelo Ramos, no Mindelo

 

Não bastasse o título algo sugestivo e sonoro aos ouvidos dos amantes do teatro, esse entusiasmo se deve, também, a qualidade e sempre surpreendente teatro produzido pela companhia dirigida por João Branco.  A peça está em cartaz dias este fim-de-semana, 23, 24 e 25 deste Março; mês do Teatro.

 

Com apoios da Câmara Municipal de São Vicente, Ministério da Cultura e da TACV (Transportadora Aérea Nacional) a encenação " inspirado nas reportagens jornalísticas acerca de um assassinato cometido nas vésperas de um casamento, numa região rural próxima à cidade andaluza de Nijar, e munido de instrumentos dramatúrgicos definidos, herdados das tragédias gregas, Garcia Lorca aprofunda, em Bodas de Sangue, aspectos fundamentais do seu teatro - amor, liberdade, maternidade.

 

A peça dá conta, na sua trama, das bodas que uniriam duas típicas famílias, cujo sustento provém das suas pequenas propriedades agrícolas e que procuram obter, com o casamento, a garantia de perpetuação (em termos naturais, morais e económicos) das suas castas. Sobre o fundo de uma terra castigada pelo Sol e nos limites do mundo campesino, dominado pelo valor das terras e do dinheiro e dividido por trágicas rivalidades, que se prolongam através do tempo, se desenvolve a obra.

 

Ainda no meio dos festejos do matrimónio, a Noiva consente ser raptada por Leonardo, primo com o qual, na adolescência, vivera interrompida paixão. A Mãe do Noivo - que, desde as primeiras linhas do texto, lamenta ao rememorar os falecidos homens da sua família, mortos, precisamente, pelos consanguíneos do agora raptor - convoca os presentes a, em nome da honra da sua família, sair à captura dos amantesem fuga. Aimplacável perseguição findar-se-á num duelo de punhais no qual o Noivo e Leonardo morrerão, assassinando-se mutuamente. Assim o Centro Cultural Português do Mindelo apresenta, em newsletter à Imprensa, a peça Bodas de Sangue.

 

De se recordar que o Instituto  Camões – CCP, Mindelo, tem ao longo dos 31 dias de Março um vasto programa em curso e que celebra, para lá do Teatro, vários outros acontecimentos quais sejam, por exemplo, o décimo-quinto.

Curso de Iniciação Teatral.

 

, hoje, 23 de Março, no Centro Cultural do Mindelo, com lotação esgotada

 

 

O Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo apresenta pela primeira vez ao público mindelense a peça Boas de Sangue, esperada pela critica pelo público com bastante entusiasmo.

 

 

Por Elisângelo Ramos, no Mindelo

 

Não bastasse o título algo sugestivo e sonoro aos ouvidos dos amantes do teatro, esse entusiasmo se deve, também, a qualidade e sempre surpreendente teatro produzido pela companhia dirigida por João Branco.

 

 A peça está em cartaz dias este fim-de-semana, 23, 24 e 25 deste Março; mês do Teatro.

 

Com apoios da Câmara Municipal de São Vicente, Ministério da Cultura e da TACV (Transportadora Aérea Nacional) a encenação " inspirado nas reportagens jornalísticas acerca de um assassinato cometido nas vésperas de um casamento, numa região rural próxima à cidade andaluza de Nijar, e munido de instrumentos dramatúrgicos definidos, herdados das tragédias gregas, Garcia Lorca aprofunda, em Bodas de Sangue, aspectos fundamentais do seu teatro - amor, liberdade, maternidade.

 

A peça dá conta, na sua trama, das bodas que uniriam duas típicas famílias, cujo sustento provém das suas pequenas propriedades agrícolas e que procuram obter, com o casamento, a garantia de perpetuação (em termos naturais, morais e económicos) das suas castas. Sobre o fundo de uma terra castigada pelo Sol e nos limites do mundo campesino, dominado pelo valor das terras e do dinheiro e dividido por trágicas rivalidades, que se prolongam através do tempo, se desenvolve a obra.

 

Ainda no meio dos festejos do matrimónio, a Noiva consente ser raptada por

Leonardo, primo com o qual, na adolescência, vivera interrompida paixão.

A Mãe do Noivo - que, desde as primeiras linhas do texto, lamenta ao rememorar os falecidos homens da sua família, mortos, precisamente, pelos consanguíneos do agora raptor - convoca os presentes a, em nome da honra da sua família, sair à captura dos amantesem fuga. Aimplacável perseguição findar-se-á num duelo de punhais no qual o Noivo e Leonardo morrerão, assassinando-se mutuamente. Assim o Centro Cultural Português do Mindelo apresenta, em newsletter à Imprensa, a peça Bodas de Sangue.

 

De se recordar que o Instituto  Camões – CCP, Mindelo, tem ao longo dos 31 dias de Março um vasto programa em curso e que celebra, para lá do Teatro, vários outros acontecimentos quais sejam, por exemplo, o décimo-quinto.

 Curso de Iniciação Teatral.

 



publicado por Elisângelo Ramos às 16:40
Segunda-feira, 19 de Março de 2012

O Grupo é do Centro Cultural Português do Mindelo. A peça, com direcção artística do encenador João Branco está em cartaz dias 23, 24 e 25 deste Março; mês do Teatro. Com apoios da Câmara Municipal de São Vicente, Ministério da Cultura e da TACV (Transportadora Aérea Nacional) a encenação encerra " Inspirado nas reportagens jornalísticas acerca de um assassinato cometido nas vésperas de um casamento, numa região rural próxima à cidade andaluza de Nijar, e munido de instrumentos dramatúrgicos definidos, herdados das tragédias gregas, Garcia Lorca aprofunda, em Bodas de Sangue, aspectos fundamentais do seu teatro - amor, liberdade, maternidade.

 

A peça dá conta, na sua trama, das bodas que uniriam duas típicas famílias, cujo sustento provém das suas pequenas propriedades agrícolas e que procuram obter, com o casamento, a garantia de perpetuação (em termos naturais, morais e económicos) das suas castas. Sobre o fundo de uma terra castigada pelo Sol e nos limites do mundo campesino, dominado pelo valor das terras e do dinheiro e dividido por trágicas rivalidades, que se prolongam através do tempo, se desenvolve a obra.

 

Ainda no meio dos festejos do matrimónio, a Noiva consente ser raptada por

Leonardo, primo com o qual, na adolescência, vivera interrompida paixão. A Mãe do Noivo - que, desde as primeiras linhas do texto, lamenta ao rememorar os falecidos homens da sua família, mortos, precisamente, pelos consanguíneos do agora raptor - convoca os presentes a, em nome da honra da sua família, sair à captura dos amantesem fuga. Aimplacável perseguição findar-se-á num duelo de punhais no qual o Noivo e Leonardo morrerão, assassinando-se mutuamente. Assim o Centro Cultural Português do Mindelo apresenta, em newsletter à Imprensa, a peça Bodas de Sangue.

 

De se recordar que o Instituto  Camões – CCP, Mindelo, tem ao longo dos 31 dias de Março um vasto programa em curso e que celebra, para lá do Teatro, vários outros acontecimentos quais sejam, por exemplo, o décimo-quarto.

 Curso de Iniciação Teatral, porque "Como tem sido habitual nas últimas edições do Curso de Iniciação Teatral, desde há dois anos realizado em parceria com o Centro Cultural do Mindelo, os formandos invadem a Praça Nova do Mindelo com uma performance de expressão corporal. A pergunta de partida é: como se comportariam certos animais se, um dia, acordassem no corpo de gente?

 

Como se deslocam? Como observam? Um momento mágico que transforma o espaço urbano da principal praça da cidade numa arena para seres estranhos e enigmáticos". É, ainda, de não se olvidar que Assinalam-se, em 2012, cinquenta anos sobre o envio do primeiro grupo de prisioneiros políticos angolanos para o Campo do Tarrafal de Santiago, o que, junto com outras iniciativas locais em curso no âmbito dos estudos sobre a fundação e o funcionamento deste e do Campo do Tarrafal de São Nicolau e da definição do estatuto patrimonial a conferir a ambos, abre oportunidade à realização de mais uma reflexão sobre a história recente que queremos suscitar, em parceria com importantes atores locais como são os municípios do Tarrafal de São Nicolau, Tarrafal de Santiago, a UniCV e o Ministério da Cultura/IIPC.

 

O Colóquio “Deportados Políticos e Colónias Penais em Cabo Verde” foi, assim, momento de reunir um conjunto de seis  investigadores que partilharam  os estudos que desenvolvidos sobre estas temáticas. Com o fito de: convocar a memória para história e invocar a história para a memória, como forma de servir o presente e, sobretudo, preparar o futuro", conclui assim a organização.



publicado por Elisângelo Ramos às 16:28
Quinta-feira, 08 de Março de 2012

"Desespero" pelo Grupo de  Teatro do Centro Cultural do Mindelo (CCM) pelas 21h30 desta sexta-feira, 09, abre, oficialmente, o 'Março, mês do teatro', em São Vicente.

 

Por Elisângelo Ramos, no Mindelo

 

Uma organização dos Grupos de Teatro de S.Vicente e da Associação Mindelact , com "parcerias" do CCM, Instituto Camões – Centro Cultural Português (IC) e, "obviamente de quem e daqueles que se despem da alma para dar à Cidade uma nova flor neste mês da Mulher", comenta – e, tom lírico – um dos envolvidos neste que é, também, o mês do Teatro.

 

Peças como 'O Lado Estranho da Vida', a exibir dia 31 próximo pelo Atelier Teatrakácia, às 21:30, 'About Me' , 'Bodas de Sangue' são dentre outras encenações destinadas à um Março prenhe de Teatro e de Homenagens à Mulher.

 

Assim no dia 16 há 'Futuro Obscuro' pelo Cem-Mente que está no palco do CCM às 20:00.

 

Em boa conta o Março, mês do teatro trás à Mindelo oito peças, por várias companhias. Visível e aplaudida pelos mindelenses, auscultados pelo nhaterra.com.cv , através do  jornalista Elisângelo Ramos  terra-activa.blogs.sapo.cv é a confirmação expectável daquilo que podem demonstrar, em palco, os alunos do  décimo-quarto(XIV)  Curso de Iniciação Teatral, promovido pelo I.C. – CCP-Mindelo.

 

Bastante intrigante, sugestivo e/ou selvagem é como se pode predicar o folheto mandado distribuir pela organização. Para se ter uma ideia sugerem que "Os Bichos Invadem a Praça".

 

Em tempos de 'Águias Voadoras' e de 'Lanchas' torna-se premente e forçoso ao repórter – à laia de opinião sacar que esta malta está a trabalhar em tom de desafio à natureza com "galo, girafa, suricata, formiga, coelho, cobra" e até mesmo ratos e porco-da-índia. Termina o folheto informativo interrogando:

 

"E se, de repetente, animais acordassem em copo de gente? Vamos procurar onde estão eles?

 

 

 


tags: ,

publicado por Elisângelo Ramos às 16:28
JORNALISMO CULTURAL
Elisângelo Ramos
Pesquisar
 
subscrever feeds
Comentários Recentes
Olá :)Este post está em destaque Na Rede na homepa...
A Gala 'vozes Femininas' foi uma boa iniciativa. ...
Meu caro,Cabe-nos apurar os factos. Prometemos ir ...
Favoritos
Patrocinador/Mecenas

Arquivos
blogs SAPO